Modelo 730: quais apólices de seguro podem ser deduzidas

O prêmios pago paraseguro estão entre os tipos de despesas que os contribuintes podem trazer dedução na declaração de IRS, ainda que, nos últimos anos, os montantes máximos de despesa a deduzir tenham diminuído significativamente. Então, vamos ver quais são atualmente dedutíveis:

Vida: tipos de seguros sujeitos a dedução

De acordo com o que indica a Receita Federal, é possível deduzir doIRPEF O 19% do valor gasto em políticas que fornecem risco de morte (o chamado seguro TCM, ou seja, temporário em caso de morte), deficiência permanente não inferior a 5%, decorrente de qualquer causa, não auto-suficiência na realização dos actos da vida quotidiana (caso a seguradora não tenha possibilidade de resolução do contrato).

Em particular, a dedução das despesas com seguros, aplicada a 19%, respeita aos prémios relativos a três tipos de contratos de seguro, nomeadamente:

1) contratos sobre a vida e contra lesõescelebrado ou renovado antes de 31 de dezembro de 2000;

2) contratos celebrado ou renovado a partir de 1 de Janeiro de 2001 quanto ao risco de morte e invalidez permanente não inferior a 5% por qualquer causa decorrente;

3) contratos contra o risco de não auto-suficiência na realização das atividades da vida diária.

A dedução é devida ao contribuinte se for tomador do seguro e segurado, for tomador do seguro enquanto familiar dependente for o segurado, for segurado enquanto membro da família dependente for o titular do seguro ou, ainda, se um familiar dependente for ambos um titular da apólice e pessoa segurada, ou o titular da apólice é um membro da família dependente e o segurado é outro membro da família dependente.

Limites e condições para deduções

Tal como acontece com outros tipos de deduções fiscais, a relativa aos seguros também apresenta limites além do qual não é possível deduzir os valores gastos. Estes são os detalhes dos valores totais dedutíveis, dependendo do tipo de apólice:

530 euros para seguros de risco de morte ou invalidez permanente;

750 euros no caso dos prémios pagos por apólices de seguros de protecção de pessoas com deficiência grave, que cobrem o risco de morte;

1.291,14 euros para os que cobrem o risco de não autossuficiência na realização dos actos da vida quotidiana.

Prêmios de seguro de vida e acidentes

A dedução de 19% é devida para prêmios pagos:

a) para contratos de seguros de vida e acidentes contratados ou renovados até 31 de dezembro de 2000desde que o contrato tenha uma duração não inferior a cinco anos e não permita a concessão de empréstimos durante o período mínimo de duração;

b) para mim contratos estipulado ou renovado desde 2001º, desde que digam respeito a risco de morte ou invalidez permanente não inferior a 5% (por qualquer causa decorrente).

A dedução é devida mesmo que os prêmios tenham sido pagos a seguradoras estrangeiras e é calculado sobre um valor máximo de prémio de 530 euros, limite que deve ser considerado no seu conjunto, portanto também na presença de vários contratos.

Prêmios de seguro para proteção de pessoas com deficiência grave

De 2016para prémios pagos por contratos de seguros relativos a risco de morte e destinados à proteção de pessoas com deficiência graveo limite máximo das despesas elegíveis para a dedução foi elevado para 750 euros. No caso de serem indicados no contrato de seguro vários beneficiários, um dos quais com invalidez grave, o valor máximo da franquia será reduzido para o limite máximo único de 750 euros.

Prêmios de seguro de vida diária de não autossuficiência

Para os contratos que tenham por objecto o risco de deficiência permanente, a dedução do prémio é devida se a cobertura for relativa a uma invalidez permanente não inferior a 5%, independentemente das causas (ex. acidentes ou doenças). Na presença de contratos de seguros que cubram o risco de não auto-suficiência no exercício das actividades da vida quotidiana, os prémios pagos dão direito à dedução à colecta do imposto bruto, desde que a seguradora não tenha o direito de rescisão o contrato, sendo que os contratos cumprem as seguintes características, identificadas pelo Ministério das Finanças:

O atos da vida diária são os relativos à ingestão de alimentos, ao desempenho das funções fisiológicas e à higiene pessoal, ao andar e ao vestir-se. Considera-se também não autossuficiente o sujeito que necessitar de vigilância contínua e aquele incapaz de realizar, ainda que parcialmente, um ou mais dos atos acima referidos; os contratos podem ser celebrados no âmbito de seguros de saúde ou seguros de vida e devem prever a cobertura de riscos para toda a vida do segurado.

O valor total máximo sobre o qual calcular a dedução é 1.291,14 euroslíquidos de quaisquer prémios de seguro de risco de morte ou invalidez permanente, e prémios de seguro de protecção de pessoas com deficiência grave.

Seguro de casa: quando a dedução é esperada

Há também uma dedução de 19% para oseguro residencialmas apenas se a apólice estiver relacionada com o risco de eventos calamitosos.

Em particular, a dedução de 19% é possível sobre os prêmios pagos pelo seguro relativos ao risco de eventos catastróficos estipulados desde 2018 para anúncios de unidades imobiliárias uso residencial e aparelhos relacionados. No que se refere, porém, aos prêmios pagos pela cobertura de seguro contra o risco de eventos catastróficos estipulados em relação ao transferência de crédito seismabonus 110% a uma companhia de seguros, a franquia é admitida 90%. A dedução também se aplica a políticas estipuladas por condomínio, em relação à parcela do prêmio referente à unidade imobiliária residencial única e afins. Por outro lado, não é devida qualquer dedução se a despesa for efectuada a favor de familiares dependentes.

Para as apólices de condomínio, deve-se fazer referência, alternativamente, ao certificação do administrador do condomínio, ou uma cópia da apólice e da documentação que comprove o pagamento do prémio relativo à sua unidade imobiliária. No caso de também ter ocorrido a transferência do crédito de 110% sismabonus para uma seguradora (portanto com desconto de 90%) é necessário também estar na posse de documentação técnica, declarações juramentadas, etc., que comprovem a intervenção anti-sísmica subsidiada a 110%, e Documentação relativa à cessão de crédito à seguradora.

Seguro de carro: quando a dedução é possível

Até o 2014 foi possível deduzir de 730 parte do custos de seguro de carrodescontando-se a contribuição paga ao Sistema Nacional de Saúde a título de abatimento ao rendimento, pela parte que exceda o 40 euros. Agora essa possibilidade foi eliminada.

Até hoje, de fato, quem assinou umseguro básico de carro (ou seja, apenas a responsabilidade legal do carro contra terceiros), não tem direito a qualquer dedução em 730. O seguro de carro é dedutível apenas se o política de acidentes de motorista, garantia acessória e não obrigatória. Neste caso será possível deduzir o 19% do valor anual pago apenas pelo seguro de acidentes do motorista, e não pelo valor total do seguro do carro.

A apólice de acidente do condutor cobre apenas dano físico sofrido por pessoa dirigindo do veículo em caso de acidente com negligência. Já os danos sofridos por outras pessoas a bordo são cobertos pelo RC Auto.

Para ser dedutível, a apólice deve ter por objeto a risco de morte ou de invalidez permanente não menos que 5%. Também para este tipo de dedução, há um teto máximo de gastos de 530 eurosque se mantém mesmo na presença de várias apólices semelhantes (como, por exemplo, um seguro de acidentes com o condutor e um seguro de vida sobre o crédito à habitação).

Requisitos para obter deduções

Para aproveitar a dedução fiscal, o prêmio deve ter sido pago noano fiscal a que se refere declaração de imposto. Portanto, se você pagou o prêmio do seguro no 2017mesmo que a cobertura esteja ativa em 2018, o comprovante de pagamento poderá ser apresentado no preenchimento da ficha 730 ou PF Rendimentos referente a 2017. Para efeito do abatimento será necessário apresentar o recibo de pagamento é um cópia do contratoonde é possível obter os dados pessoais do segurado e todos os dados de identificação da apólice.

É possível em alguns casos solicitar a dedução pura não sendo beneficiários da política. Com efeito, o tomador do seguro tem o direito de o obter directamente, que deduz a quota na sua declaração de IRS, o tomador do seguro, se o beneficiário for um familiar que dependa fiscalmente do requerente da dedução, ou um familiar que tenha encargos a pessoa que é simultaneamente o tomador do seguro e o segurado.

Limites de receita e rastreamento de pagamento

A dedução é devida integralmente apenas aos titulares de rendimentos totais até 120.000 euros. Ultrapassado este limite, o crédito diminui a zero ao atingir uma renda total igual a 240.000 euros. Recorde-se ainda que a obrigatoriedade de utilização foi introduzida com a Lei do Orçamento de 2020 sistemas de pagamento rastreáveis para obter a dedução esperada. É por isso imprescindível que o pagamento do prémio seja efectuado por transferência bancária ou postal, cartão de crédito ou débito, cheque bancário ou visado.

Similar Posts