Primeiro bônus da casa, é a quem pertence

O governo também está próximo dos cidadãos que precisam deixar a Itália para se mudar para o exterior por causa do trabalho, atendendo-os com o bônus no primeira casa: o mesmo é verdade, porém, para todos os emigrantes que deixaram a Itália. A medida foi decidida nas últimas horas por um decreto legislativo do Conselho de Ministros.

Quem recebe os benefícios

A situação atual vê quatro pontos dependem do bônus da primeira casa: como você se lembra O sol 24 horas, a medida destina-se a residentes no Concelho onde se situa a casa adquirida de forma facilitada, a quem mude de residência no prazo de um ano e meio a contar da escritura onde se situa a casa, a quem se desloque para o estrangeiro por motivos de trabalho e decida comprar uma casa no Município onde o seu empregador exerce a atividade e, por último, se for um cidadão italiano que emigrou para o estrangeiro que decida comprar em solo nacional.

O que a nova lei estabelece?

Face ao passado, o que foi estabelecido em Conselho de Ministros deixa as coisas como estão nos dois primeiros pontos e altera significativamente o que diz respeito aos cidadãos no estrangeiro, portanto, os pontos três e quatro. De agora em diante, de fato, o bônus da primeira casa será competência do comprador que, estando no exterior a trabalho, mas que terá trabalhado na Itália por um período mínimo de cinco anos, adquire uma casa no município de nascimento ou no município em que residia antes de deixar o país ou em o Município onde trabalhou antes de se deslocar para fora das fronteiras nacionais.

O que foi introduzido pelo executivo, portanto, deixa alguns pontos inalterados, mas altera alguns pressupostos: o pressuposto segundo o qual “deve ser um comprador transferido para o exterior por motivos de trabalho“, explicam os especialistas. Isso significa que as transferências por motivos de estudo ou familiares não estão incluídas nesta categoria; a importância da sede do empregador é abolida”onde o comprador de primeira casa que se muda para o exterior é empregado“, introduz a importância de que o comprador, por pelo menos cinco anos, deve ter trabalhado na Itália ou ter residido, mesmo que neste caso a discussão seja mais ampla porque por “atividade” também entendemos fatores fora do trabalho, como esporte, estudar, etc

Outro aspecto esclarece que o bônus é pago na compra de uma casa no município de nascimento do comprador, mas também onde ele teve residência ou onde desenvolveu o seu negócio (três aspectos diferentes). Finalmente, há um quinto ponto que não menciona mais o “Cidadão italiano emigrou para o exterior“: isso significa que a nova lei também pode ser aplicada àqueles que não possuem cidadania italiana e que, novamente após cinco anos de atividade italiana, vão trabalhar no exterior.

O que é excluído

Quem se beneficiar do bônus que facilita a compra da primeira casa não poderá ser proprietário de outras casas no Município onde está localizado o imóvel adquirido e não poderá ser proprietário de outra casa comprada anteriormente de norte a sul da Itália. subsídio válido para a primeira habitação. Por ter sido transferido para outro país por motivos de trabalho, o comprador não será chamado a mudar de residência na nova casa por um ano e meio a partir da escritura de compra.

Similar Posts